X

junho 2012

Sem categoria
Valores e Comportamentos
24 de junho de 2012 at 20:26 0

Tenho trabalhado muito com VALORES nas e das Organizações. Valores que devem ser claros e que devem demonstrar para onde uma empresa quer ir e como ela quer ir. Mas por outro lado, também tenho aprendido cada vez mais que para uma empresa evoluir e se conhecer melhor, seus dirigentes precisam estar atentos aos valores individuais das pessoas, alinhados – preferencialmente – ao mesmo caminhar da corporação. E esse caminhar depende sim das empresas estarem dispostas e abertas para conhecerem melhor as suas pessoas e  seus times. A nova liderança ou a mudança dela no mundo corporativo e por que não dizer, fora dele também, toca diretamente no comportamento humano. No comportamento dos lideres e como eles demonstram seus valores. Atitude demonstra valor. Comportamento demonstra valor. O valor que motiva e o valor que limita. Somos os dois. Assim mesmo; como luz e sombra. Temos os valores que nos limitam para crescer e evoluir, como também temos os valores que nos motivam a sermos pessoas melhores e para avançarmos na vida. Então ficam as perguntas: Quais os valores que motivam a sua vida? Você tem praticado esses valores?
Precisamos ter consciência de que só vamos conseguir entender a corporação e valoriza-la, quando nos entendermos e nos valorizarmos. Parar e refletir sobre isso é parar e refletir sobre a importância da nossa existência, sobre o que queremos como missão de vida e o que queremos deixar para o futuro: o nosso LEGADO. Assim como as pessoas, as empresas querem deixar um legado, uma história. E isso não se faz sem os valores conhecidos e sem a realidade dos valores praticados. Valores como amor, generosidade, honestidade, ética, amizade, família, trabalho, alegria, equilíbrio e muitos mais que pautam e governam a nossa existência.

Falar de engajamento é falar também de valores que combinam. É poder falar daquilo que me move e que move a corporação e o time onde atuo. A questão é que ficamos sempre no paralelo das relações. Uma empresa, um trabalho, representa uma das relações mais importantes para o ser humano, e nós acreditamos que isso pode ser feito assim, meio que no automático. Triste engano. As empresas que querem verdadeiramente se relacionar com as suas pessoas, abrem a discussão para o DESENVOLVIMENTO e para a GESTÃO. Incentiva seus gerentes a serem líderes e como tal, motiva a conversa aberta e fala através dos seus valores, querendo saber dos valores das suas pessoas. Trabalha na rota da transparência pela prática e nao só pela Missão colocada em belas palavras na parede da recepção. Missão sem valores praticados, é perda de energia, é fuga e risco de quebra de propósito e de resultado.

Para tanto, confiar e ser leal depende desse processo de crescimento e amadureciemnto tanto das pessoas quanto da corporação. Os dirigentes e líderes necessitam ser os primeiros a entender esse processo e perceberem a necessidade de uma tomada de atitude. Eles devem ser os pioneiros a darem exemplo concreto de que comportamento é valor e o que se faz é aquilo que se fala. O famoso “walk the talk” está exatamente ai, nesse gap entre a inteção e a ação. Líder que é lider, seja em casa ou no trabalho, consegue fazer aquilo que fala e a partir daí, assumir seu verdadeiro comportamento frente à comunidade.
Precisamos estar conscientes de que cada vez mais a corporação está nas nossas vidas de dia e de noite. Isso faz com que a vida não seja tão fragmentada. Somos uma pessoa só. Um indivíduo indivisível, que tem em seu comportamento, seja em casa, ou no trabalho, a integridade de SER. Isso mesmo, SER e PODER SER. Essa é uma escolha importante, pois se não conseguirmos ser o que realmente somos, podemos estar fadados a famosa e insuportável frustração. Mais do que isso, nossa alegria ficará restrita e definitivamente não nascemos para segurarmos a felicidade. Ela é bem vinda à vida. Pois então é hora de pensar, sentir e agir em relação aos nossos valores de vida. É hora de levantar e observar nossos próprios comportamentos ao invés de apontarmos os dos outros. Se realmente estivermos incomodados com algo, pode ser a hora de avaliar e decidir sobre que caminhos queremos percorrer, pois definitivamente, não há crescimento na zona de conforto e não há conforto para os que querem crescer.

Pois que venham nossos valores transformados em comportamentos que poderão nos levar para lugares melhores na VIDA. Que o engajamento comece com o nosso próprio EU, num acordo de líderes para chegarmos ao engajamento bacana com o que nos cerca.
Que assim seja! Sempre.


Artigo originalmente publicado na revista #10 Estilo Tenis
CONTINUAR LENDO ...